Quem sou eu

Minha foto

Escritora e Poetisa amante da natureza

UMA FOTO EM PRETO E BRANCO

31/07/2012

LUNA DI PRIMO



  • LUNA DI PRIMO

    Olhando o céu azul, busquei teu nome
    E o vi escrito em nuvens de algodão!
    Mesmo ao soprar do vento ele não some...
    ... Não foi escrito ali por qualquer mão!

    Tocá-lo a essa distância foi em vão!
    Busquei-te então aqui, por teu prenome,
    Senti tocar o amor no impulso e fome
    Surgido das entranhas qual vulcão!

    Ó que gratificante o meu achado!
    Ó que gratificante e doce mimo!
    Foi o maior tesouro já encontrado,

    No qual a poesia atinge o cimo,
    O belo, o bem, o lúdico encantado
    ... Na incontestável luz: Luna Di Primo!

    By Ineifran Varão - 06/07/12
    LUNA DI PRIMO

Olhando o céu azul, busquei teu nome
E o vi escrito em nuvens de algodão!
Mesmo ao soprar do vento ele não some...
Não foi escrito ali por qualquer mão!

Tocá-lo a essa distância foi em vão!
Busquei-te então aqui, por teu prenome,
Senti tocar o amor no impulso e fome
Surgido das entranhas qual vulcão!

Ó que gratificante o meu achado!
Ó que gratificante e doce mimo!
Foi o maior tesouro já encontrado,

No qual a poesia atinge o cimo,
O belo, o bem, o lúdico encantado
... Na incontestável luz: Luna Di Primo!

By Ineifran Varão - 06/07/12


28/07/2012

À LUNA DI PRIMO




Onde irá esta rosa deste lindo jardim?
onde ela irá cantar seu canto de amor?
e nós órfãos, choraremos.. 
da saudade não vai nos impor,
Linda RAINHA, vazio aqui
vai ficar, sem a rosa principal do jardim..
ei de senti-la mesmo de longe,
a poeta do amor, saudando,
as ondas do mar...
com seu papel na mão,
fazendo sua poesias, longe!
entre as estrela, é mais
uma a nos saudar
segue a poeta a cantar
seu canto de amor.

MENDUIÑA


















27/07/2012

QUE AMOR É ESSE?...INFINITO?



Amor sublime e forte que transpassa
As bordas mais distantes do infinito,
Espalha nas distâncias, onde passa,
Amostras de um sentir, o mais bonito...

Arraiga-se de vez num ser finito,
Nas vísceras do corpo que trespassa,
Percorre todo o ser, a biomassa,
E expressa-se no verso que é seu grito!...

Que amor é esse... Súbito aparece,
Quando nem mais sabemos o que somos?
Enreda-nos, qual músicas de prece,

Desfolha-nos em pétalas ou gomos,
Eleva-nos na fome que apetece
Aos píncaros, ao ápice, aos domos?!...


Ineifran Varão






25/07/2012

SOFRI



SOFRI (rondel)

Sofri por muitas horas sem te ver,
E vi coisas horríveis, tenebrosas!
Eu vi girar a Terra pra valer!
Vi mulheres fantasmas, assombrosas...

O sol tingiu de sangue o meu viver...
Vi cadafalso à frente, vi ventosas...
Sofri por muitas horas sem te ver,
E vi coisas horríveis, tenebrosas...

Perdi noção do mundo e do saber!
Fugi, depois voltei às Alterosas,
Tentei de tudo para não sofrer
... E até  te reencontrar em meio às rosas,
Sofri por muitas horas sem te ver!

Ineifran Varão











21/07/2012

Lady Luna Di Primo Poeta e Artista Lady dos Sonetos




Eu encontrei um tesouro em você, Senhora. Eu não entendo português, e não
 quero nada, apenas expressar a minha homenagem.




Eu não sei português, mas essa foto me toca o coração




Eu compartilho como uma homenagem a Lady Di Luna Primo, poeta e artista






Homenagem a Luna Di Primo, poeta e artista







How now, mad spirit!

Shakespeare: Midsummer Nigt's Dream,
Act lll, scene ll

Tradução

Como ágora o Espírito, mau!

Shakespeare: Sonho de Uma Noite de Verão,
Ato III, cena II




to fly
to swim, to dive intothe fire, to ride
on the cur'd clouds...

Shakespeare: the tempest
act I, scene ll


tradução

voar, nadar, mergulhar no fogo,
voar nas nuvens de tempestade,

Shakespeare: A Tempestade
ato I, cena II




Tanks girl!




19/07/2012

LUNA





LUNA
JACI
LUAR

JACI
BRILHA
NO CÉU

LUNA
É LUA
DUNAS

LU NA
MORA
VERSOS

Luiz Alfredo - poeta



17/07/2012

Quase... - / - Ousadia Antológica

http://www.youtube.com/watch?v=8LQja_GDWKI&feature=plcp

sexta-feira, 13 de julho de 2012


Quase... - / - Ousadia Antológica







Pra começar:


Quase...!


                            Pensei em não escrever crônica, hoje. Soterrado em meus próprios escombros, pensei em ficar quietinho aqui. Mas, aí, talvez, influenciado pelo dia do rock, resolvi chutar o balde.
                            Aceito o desafio. Querem me provar. Provem! Ainda não foi suficiente, tudo que passei. Legal! Tô dentro! Manda ver! Eu encaro! Cheguei até aqui, não vou mijar pra trás agora.
                            Criarei um oásis, nesse sertão. Farei nascer uma flor em cada fenda da terra seca. Do carinho esquecido... De tanta paixão perdida...
                            Minha vida toda foi quebrar padrões. Quebrarei mais esse. Sob protesto, que fique bem claro. Se Ele me ouvisse, afastaria de mim esse absurdo cálice. Mas, cansei de chamar. Vai assim mesmo.
                            Sou poesia! Detesto melancolia! Jamais tomará conta de mim, a tristeza. Por isso me descabelo pela casa afora, pra expulsá-la, para exorcizá-la, já que os fatos têm cooperado tanto com ela.  É algo que devo ao meu fim! Portanto, com ou sem o que pensava imprescindível, aqui vou eu. Solto no ar! Espalhando afeição, incondicionalmente, irrestritamente, reconheço que: furiosamente!
                            Espelharei até me esgotar. Pretendo, ousadamente me aprimorar, para incomodar todo sentimento, inutilmente poupado, estupidamente preservado!
                            Enquanto o lirismo me habitar, estarei pelo ar, irradiando paixão, pra acordar a multidão deste limbo chamado ambição!
                            Espero, ainda, ver brilhar o amor que tão incontestavelmente semeei... Não quero o isolamento para meus irmãos. Quero que se encontrem, que se reconheçam e que se gostem, como se disso dependesse, as suas adormecidas vidas. Esta será a grande conquista. A global redenção. Então, a satisfação não será só minha, mas de toda a imensidão!






                  Ousadia Antológica


Cada vez mais, gosto de praias vazias...
Fico ali olhando,
Admirando
O cenário todo,
Com cara de bobo...
Do oceano, enfeitiça-me a melodia!

Foi sua “Ardentia”
Que me mostrou a real meta,
Que me fez poeta!
Deu-me a alforria!

Libertou-me, o mar,
Com seu delicado marulhar...
Invadiu-me a alma,
Com sua inconstante calma...
Mostrando-me as vantagens,
De seguir a própria paisagem...

De escalar minha montanha,
Para poder validar a estampa
De minha passagem,
Por essas paragens.

Estou tão impregnado de mar,
Que onde quer que eu vá,
Será dele,
Pra ele,
Meu respirar.
Em sua maresia, aprendi a voar!

Desde então, nunca mais pousei!
Foi por gostar,
Para continuar a amar,
Que, antologicamente, ousei.
Permanecerei em ousadia,
Apaixonado...
...Arrebatado!
Em qualquer autarquia,
Do céu ou da terra!
...Ah! Sou filho do mar com a serra!


Pra encerrar:




Para Luna Di Primo




13/07/2012

AMOR TOTAL




Tão leve é teu sorriso de manhã...
Bafejo quente em cheiro de amor!
Macio corpo em curvas, meu afã,
Odor sensual que exala a bela flor!

Contemplo extasiado o esplendor,
A rósea face cor de uma maçã!
Quero-te sempre parte do meu clã,
És o melhor tempero a meu sabor!

Expressas em postura surreal
Os traços lisonjeiros do querer,
Em suntuosa pose de postal...

Ó dama, louvo a ti, meu benquerer,
E entrego-te de vez amor total,
Enquanto neste mundo ainda viver!


Ineifran Varão






09/07/2012

CELEBRE A VIDA



Celebrar a vida é fazer seus
dias em esperança,
Olhar o céu pela janela
... e ver o sol brilhando,
ou a lua cheia..
É ter espaço no coração
para amar ao próximo,
Não ter amargura na dor!
é partir sem medo
pra horizontes diferentes,
Não se sentir realizada
pelos números de troféus
Nem por suas conquistas
seja qual for,
reinvente sempre...
seja vitoriosa..
leve consigo quem merece...
ou largue-os no caminho...
seja sempre a única..
a vida passa... aproveite
diga sim...se lhe convir
primeiro se ame e se agrade,
depois aos outros,
um dia vai procurar alguém
talvez não tenha
ou no máximo um
VIVA COM A INTENSIDADE
DOS VENCEDORES.
À MINHA LUNA DI PRIMO


MENDUIÑA









ACORDES PARA MINHA LUA




Às vezes eu viajo em minhas notas,
Nos sons do meu teclado de amador...
Os dós de mim têm dó em minhas cotas,
Cotas de embriaguez de imenso amor!

Acordes que se vão como um vapor,
No destilar de sonhos sem derrotas...
São como os voos em bandos de gaivotas,
A decorar o céu do meu compor!

No dó-ré-mi da música tão bela,
É a Lua que se chega a me escutar...
Em comunhão me faço junto dela,

A quem dedico todo o meu cantar!
Acordes – quando belos – são pra ela,
Pra Lua que encontrei e me fez amar! 


Ineifran Varão







08/07/2012

OS PASSOS DE LUNA DI PRIMO


                        
                             OS PASSOS DE LUNA DI PRIMO

                             Meus passos são lamentos
                             Os pensamentos fúnebres
                             Viajo na escuridão a sua procura
                             Sem sentido, não sou poeta,
                             Nem decifro a poesia como ela!
                             Apenas canto, com saudades
                             Meus contos pra ela
                             Nem a encontro,
                             Cavalgo pela vida,
                             A procura da Poeta
                             Olho pra dentro
                             Do meu eu, sinto
                             A poesia chorar
                             Por falta dela
                             pra onde ela vai, nem sei
                             Sento na estrada vazia,
                             Sem vida, esperando
                             pra segui-la por onde for
                             da FILHA que me amou...

                             MENDUIÑA

06/07/2012

Dormes



Dormes o sono da calma
Da calma bem lisonjeira
Aplaudo com minha palma
Ao lado da cabeceira
Enquanto as curvas que vejo
Suaves como o teu beijo
Acariciam minh’alma...

Ineifran Varão


03/07/2012

Receitas de Mindim







 
                                    À poeta Luna de Primo.

Quem escreveu este poema
No meu livro de receita ancestral
Que era da minha bisavó
Ainda bem que foi um                   MINDIM            
MINDIM                                        QUINDIM
Na receita de                                 PUDIM
QUINDIM
Mas quase desonerou o
PUDIM                                          JARDIM
Não sei que fez isto                      JAPIM
Eu estava com meu colibri            POR MIM
E a rosa branca no
JARDIM
O livro estava na gaveta               MINDIM
Da cristaleira                                 AIPIM
O poeta pegou a pena                  ASSIM
Perto da compoteira
Eu estava escutando
O belo canto do                            MADE
JAPIM                                           PEQUIM
Nem dei                                        NANQUIM
POR MIM                                     
Quando vi estava lá o
MINDIM
Quando fui preparar                     MICRO
A receita do                                  VERSO
AIPIM                                            ONDAS
Era tão diminuto
Por uma questão de minuto
O poeta poetou
ASSIM

CARA                                         POE (TA)
MELO                                         CORVO
DOCE                                         LUNA

DOCE                                         BASHÔ
DO CE                                        QUASE
CAJU                                          CHEGOU





E ainda assinou com um ideograma           AVE VOA
De PEQUIM                                                (N)AVE
No idioma mandarim.                                  AVOA

                                                                     AVE
                                                                     ASA
                                                                     VOA
         

                           Luiz Alfredo - poeta

















01/07/2012

"Luar de Poesias"

 


"Luar de Poesias"

Luna Di Primo
Luna da poesia
Da noite enfeitaste o firmamento
Tem no espaço seu lugar
Cede espaço ao poetar

Luna Di Primo
Luar em bondade e poesia
Carregando estrelas e cometas
Quando cheia ouço uivo em lobisomem
Uivar dos poetas agradecidos

Sempre brilhante em céu de inverno
Ou verão... São primaveras em poesia
E guarda as letras junto às folhas do outono
E o brinde da amizade em gosto de via láctea
Onde sempre terá em luar
Poetisa Luna Di Primo

Jonas R. Sanches










sabedores

Google+ Followers

ACADÊMICA

ACADÊMICA

MULHERES QUE TECEM O MUNDO

MULHERES QUE TECEM O MUNDO

LIDERANÇA PELA PAZ

LIDERANÇA PELA PAZ

A FLOR QUE EU ENCONTREI (Flor da Lua).